24 janeiro 2024

Lembram do THE NYMPHS? Conheça a história de sua curta e conturbada carreira.

Alex Kirst (bateria), Geoff Siegel (guitarra), Inger Lorre (vocal), Cliff D. (baixo) e Sam Merrick (guitarra)

THE NYMPHS foi uma banda liderada por Inger Lorre, uma cantora e compositora enigmática, que provavelmente também foi uma das musicistas mais talentosas de sua geração. Eles eram claramente uma banda competente e com visão de futuro, mas, que não fora criada para se encaixar no mundo comercial. Na verdade, se você está procurando um exemplo de um grande conceito que falhou e queimou, é esse. 

Essa é uma história sobre como é difícil ser bem-sucedido no setor musical.

Com sede em Los Angeles no final dos anos 80, a banda foi arrebatada pela gigante gravadora Geffen Records e considerada uma revelação. Soando muito diferente de tudo na época, seu incendiário hard rock alternativo galvanizou a gravadora a acreditar que a banda tinha a chave para o futuro. De muitas maneiras, eles fizeram um álbum impressionante, dirigido pelo respeitado produtor britânico Bill Price, o mesmo homem que domou os Sex Pistols, incendiou o Clash e deu aos Pretenders um som que continua a perdurar.

"Eu preciso dizer que ele era um cara muito amigável, bastante formal, mas um homem que era fácil de se conviver e que nos ajudou bastante", declarou o guitarrista Geoff Siegel, em uma entrevista na época.

No entanto, como Siegel aponta tristemente, o relacionamento entre os membros da banda foi tenso, o que não tornou o processo de gravação confortável. 

"Éramos conhecidos por sermos uma banda instável", lamenta. "E certamente nunca nos demos muito bem, pois nada que essa banda fez foi fácil.  Todo o processo de gravação foi muito caótico, havia discussões constantes entre nós sobre tudo e qualquer coisa. Suponho que uma maneira de ver isso é que a tensão dentro da banda ajudou a aumentar o nível geral de intensidade, o que foi um grande impulso para a maneira como tocamos no álbum."

O estresse em estúdio aumentou quando Price foi subitamente escalado pela gravadora para trabalhar com o Guns N" Roses, que estava a trabalhar no disco "Use Your Illusion", o que deixou a galera do Nymphs bem puta da cara.

"Disseram-nos que Bill passaria um mês trabalhando com o Guns N' Roses e depois voltaria para nós", suspira Siegel. "Mas no entanto ele retornou somente depois de uns quatro ou cinco meses, e, realmente, isso destruiu a banda. Nós argumentamos que Bill deveria ficar conosco, mas que chance tínhamos contra uma grande banda como o GN'R? Eles sempre iriam ganhar".

De qualquer modo, não é justo dizer que David Geffen, chefão da gravadora Geffen, tenha "abandonado" os Nymphs. Ele garantiu que os músicos tivessem dinheiro para continuar vivendo enquanto esperavam a volta de Bill e também garantiu que houvesse um orçamento decente para promover o álbum.

Porém, o Nymphs não era uma banda que aceitaria humildemente uma decisão de negócios com a qual eles discordavam veemente... A vocalista Inger Lorre era alguém que tinha sua própria maneira de defender sua opinião, fato que o executivo Tom Zutatut veio a descobrir de uma maneira nem um pouco ortodoxa.

"Você tem que entender a situação em que estávamos na época", defende-se Inger ao explicar os eventos que levaram a um dos mais infames incidentes do mundo da música na década de 1990. 

"Assinamos nosso contrato com a gravadora mais ou menos na mesma época que o Red Hot Chili Peppers e Jane's Addiction. Mas, Tom Zutaut queria nos manter no gelo até, como ele mesmo disse, chegar a hora certa. Então, não apenas não fomos autorizados a entrar no estúdio por muito empo, mas também não podíamos tocar ao vivo". 

"Como dependíamos totalmente do dinheiro que recebíamos da Geffen para viver, todos nós tínhamos medo de fazer qualquer coisa que os incomodasse, porque poderia acabar conosco. Então seguimos suas intruções. mas quando entramos no estúdio, o Jane's Addiction já tinha dois álbuns lançados, e os Chili Peppers também tinha um lançado."

Mais tarde, quando Inger descobriu que Bill Price estava trabalhando com o GN'R, as coisas ficaram muito mais tensas. 

"Certo dia, cheguei ao estúdio e encontrei os engenheiros enrolando nossas fitas guardando-as. Quando perguntei o que estava acontecendo, eles me disseram para perguntar à Geffen. Então tentei ligar de casa para o Tom, mas não consegui mesmo após várias tentativas. 

"A essa altura eu já estava bêbada e muito enfurecida! Então decidi ir pessoalmente até o escritório da Geffen e confrontá-lo cara a cara. Chegando lá me disseram que ele estava em uma reunião e decidi esperar."

"Enquanto esperava eu devo ter bebido uns oito copos de café ou água. Até que finalmente eu entrei em seu escritório. Ele sentava em uma cadeira enorme atrás de uma mesa grande, na frente havia um sofá pata os visitantes. Mas eu disse a ele que queria sentar em sua cadeira para esta reunião, e ele poderia sentar no sofá. Tom concordou e comecei a falar lenta e razoavelmente sobre a situação. Até que, cuidadosamente subi naquela mesa e mijei em tudo que estava sobre ela!"

Tom Zutaut no entanto lembra que a explosão de Lorre (por assim dizer) foi um pouco mais traumática do que isso... "Corria tudo bem no começo da reunião, mas quando Inger percebeu que o Nynphs havia perdido Bill por aquele período de tempo, ela enlouqueceu. Ela literalmente rasgou as roupas, subiu na minha mesa, abriu a virilha e mijou em todos os lugares, inclusive em mim! Então ela saiu furiosa."

"Minha secretária entrou alguns minutos depois e me encontrou sentado ali totalmente traumatizado, coberto de mijo. Ela pensou que era água e foi buscar alguns lenços. Na época foi muito chocante. Agora, porém, posso rir disso."

Chocante ou não, o "protesto" de Lorre deu certo. No dia seguinte, a cantora recebeu um telefonema da Geffen e foi informada que Bill voltaria a trabalhar com a banda o mais rápido possível. "Pelo menos eles entenderam que só queríamos ele e mais ninguém!", diz ela gargalhando.

O disco saiu finalmente em 1991, mas a má sorte persistiu, pois mais ou menos na mesma época o Nirvana lançou o hiper-mega bem sucedido "Nevermind", que vendeu milhões mundo afora, obrigando a Geffen Records investir todos os seus recursos nele e deixar bandas menores como os Nymphs em segundo plano.

"Eu não culpo a Geffen por isso", declara Siegel. "Eles fizeram o possível por nós. Gravamos videos para "Imitating Angels" e "Sad and Damned", e também pagaram para que fizéssemos uma turnê americana de dois meses abrindo para o Peter Murphy. Devo dizer que eles nos trataram muito bem e ficaram entusiasmados com o álbum".

Infelizmente, a turnê com Peter Murphy provou ser a sentença de morte para a banda, já que as relações entre Lorre e os outros se deterioraram além do ponto sem volta.

"Inger tornou-se impossível de lidar", declara Siegel. "Ela ameaçava sair da banda o tempo todo e até se recusando a subir no palco para um show. A atmosfera era terrível."

EM 22 DE JUNHO DE 1992, as coisas chegaram ao auge no Cameo Theatre em Miami Beach, com um cenário que agora parece uma farsa.

"Inger disse que não queria subir no palco", lembra Siegel. "Então, o resto de nós decidiu ir em frente sem ela. Ela nunca apareceu para os ensaios de qualquer maneira, então estávamos acostumados a tocar sem ela. E também podíamos lidar com o lado vocal. Então, cinco ou seis músicas em nosso set , ela entrou, vestindo seu pijama e um chapéu! Ela começou a discutir conosco no palco, bem à vista do público. Eles devem ter pensado que éramos um bando de malucos. Foi uma loucura. Então não aguentamos mais e a demitimos. Decidimos continuar como um quarteto, mas foi o nosso fim."

Siegel, que admite não ter falado com Lorre desde aquela noite infame em Miami, acredita que a cantora pode ter tido problemas para lidar com as exigências de estar em uma grande gravadora.

"Acho que ela nunca quis estar com uma empresa como a Geffen. No que lhe dizia respeito, The Nymphs deveria estar em uma gravadora independente. Ela estava sempre tentando tornar a vida tão difícil para todos nós. Eu realmente Acho que isso poderia ter nascido de uma frustração de onde ela se encontrava como artista. Mas, no final, não havia como progredirmos com ela."

Na verdade, a banda parou logo depois de se separar de Lorre. "Geffen realmente queria fazer um segundo álbum conosco", confirma Siegel. "Mas todos nós acreditávamos que não valia a pena continuar. Naquela época, eu havia dedicado três anos da minha vida a essa banda e não estava preparado para perder mais tempo com isso. Além disso, parecia errado continuar sem a pessoa que começou The Nymphs. Então decidimos nos separar."

Inger, porém, nega veementemente que ela foi demitida. "Eu sei que é isso que Geoff diz às pessoas. Mas alguém realmente acha que eles teriam demitido a pessoa que fundou a banda e escreveu todas as músicas? Eu fui embora. Tom Zutaut até voou para Nova Jersey, para pedir aos meus pais que tentassem me convencer a voltar."

"Depois que saí, não conseguia nem ouvir rock 'n' roll no rádio; tudo o que ouvia era música clássica. Foi de partir o coração para mim. Eu amava tanto a música e tê-la tirado foi demais para suportar. Houve até momentos em que pensei em não estar aqui. Tive problemas em lidar com o tempo que levou para entrarmos no estúdio e fazer o álbum, talvez eu tenha enlouquecido um pouco na época..."

Mas o álbum em si também mexe com as emoções, e nos faz apreciar o brilhantismo totalmente louco da banda.

"Para mim, The Nymphs foi a banda que praticamente inventou o grunge", insiste Zutaut. “E eles teriam recebido o crédito por isso se o álbum tivesse sido lançado quando deveria ter sido. Pessoas como Courtney Love iriam assistir Inger. Mas deixar a banda esperando pelo produtor enquanto ele trabalhava com o GN'R custou a chance deles", admite. 

"A MTV estava pronta para colocar 'Imitating Angels' em alta rotação quando eles se separaram. Eu tentei persuadir Inger a ser paciente e esperar algumas semanas para se firmar na MTV, e então ele teria sido maior do que 'Smells Like Teen Spirit'. Mas ela me disse para me foder, ligou para David Geffen e brigou com ele sobre colocar sua carreira e vida em espera e então disse a ele que The Nymphs havia se separado. E como resultado, ele me disse que a gravadora estava retirando o vídeo da MTV e também decidiu que a empresa não trabalharia mais com a banda. Aquele telefonema psicótico para David Geffen custou não apenas sua carreira, mas também a de sua banda. O problema de Inger é que ela tem rosto de anjo e alma de demônio. É por isso que este álbum é um clássico perdido em vez de um prenúncio multimilionário do movimento grunge."

Inger Lorre é uma pessoa dedicada à paixão e compaixão pela música. É instilado em seu ser e a move emocionalmente a uma profundidade que só acontece com verdadeiros artistas. Ela encontra conforto e uma bússola por causa da música - isso lhe dá voz e substância. E ela está totalmente focada nisso.

"Quando fui para Los Angeles, as pessoas me disseram que havia uma chance em um milhão de conseguir. Mas eu acreditava que poderia ser essa chance em um milhão. Acreditei na esperança e ainda acredito na esperança."

Sobre o disco, Inger se diz intensamente orgulhosa dele. "É atemporal. Não ouço muito, mas quando ouço, fico muito satisfeito com o resultado. Muito disso se deve a Bill Price e também a ótimas canções. Soamos como nós mesmos; Bill capturou aquil e multiplicou por 10. Em um nível pessoal, eu realmente não sabia cantar naquela época. Mas encontrei uma maneira de tentar cantar que me deu meu próprio estilo. Isso foi importante - ter individualidade."

Como banda, The Nymphs era único, e é por isso que este álbum não é um clássico perdido - "É" um clássico.

Por Malcome Dome
Tradução: Júlio Feriato



17 janeiro 2024

GENE SIMMONS é a atração “surpresa” do SUMMER BREEZE BRASIL

O Summer Breeze Brasil acontece entre os dias 26 a 28 de abril, no Memorial da América Latina, em São Paulo.

Gene Simmons é a atração principal revelada anteriormente como uma "surpresa" pela equipe do festival Summer Breeze Brasil, que acontecerá de 26 a 28 de abril no Memorial da América Latina. O lendário baixista do KISS, banda que encerrou sua carreira após 50 anos na estrada em dezembro de 2023, subirá ao palco com sua nova banda solo, GSB, como headliner do primeiro dia do evento (sexta-feira, 26).

A apresentação da GSB está marcada para sexta-feira, 26 de abril, e será o show principal do primeiro dia do festival. Em virtude disso, a produção transferiu o Mercyful Fate para encerrar o festival no domingo, 28 de abril. Com a inclusão da Gene Simmons Band, ajustes são necessários para uma melhor organização da grade completa do festival. Com isso, o Mercyful Fate se apresentará no domingo (28).

Dessa forma, aqueles que adquiriram ingressos para sexta-feira por causa do Mercyful Fate poderão trocá-los através da Clube do Ingresso. Quem comprou o pass ou os ingressos sem data marcada não precisa se preocupar", destaca Claudio Vicentin, CEO do Summer Breeze Brasil.

A solicitação de troca dos ingressos de sexta-feira (26) para domingo (28) deve ser feita exclusivamente pela Central de Ajuda do Clube do Ingresso.

Gene é o vocalista principal de vários clássicos e músicas cultuadas pelos fãs do KISS, como "Rock and Roll All Nite", "God of Thunder", "I Love It Loud", "Deuce", "Calling Dr. Love", "Unholy", "Cold Gin", "Naked City", "A World Without Heroes", "War Machine", "Killer", "Not for the Innocent", "Young and Wasted", "Thief in the Night", "Domino" e outras. O impacto do KISS na música e na cultura pop ainda é evidente, e Simmons continua sendo uma figura proeminente no rock'n'roll. Muitas músicas do Kiss serão executadas! O que acha dessa programação?

Os ingressos estão disponíveis de forma online, através do Clube do Ingresso. Confira os valores:
* Summer Card Social: por dia (mediante doação de 1kg de alimento não perecível): R$650,00
* Ingresso para todos os dias (Pass): R$1.650 / R$3.300 (inteira)
* Summer Lounge Pass (todos os dias necessário ingresso de acesso ao evento): R$2.10
Opções individuais por dia consultar no site do Clube do Ingresso.

Outras informações em: www.summerbreezebrasil.com
Siga @summerbreeze.brasil 


16 janeiro 2024

SEBASTIAN BACH faz show no Brasil para celebrar 35 anos do álbum de estreia do SKID ROW


Sebastian Bach está programado para apresentar na íntegra o álbum de estreia autointitulado do Skid Row em sua turnê de 2024, marcando o 35º aniversário do lançamento desse icônico trabalho.

O cantor realizará essa apresentação especial em algumas cidades selecionadas ao redor do mundo, e o Brasil faz parte dessa celebração. Ele anunciou a parada da turnê em Curitiba, no Tork N´Roll, em 27 de abril, com os ingressos disponíveis através do ShowPass.Com.Br.

"Em celebração ao 35º aniversário, estaremos tocando o primeiro disco 'Skid Row' na íntegra para você, Curitiba! Não faremos isso em todos os shows! Este é um presente para a cidade de Curitiba pelos 35 anos de rock ‘n’ roll", compartilhou Bach em suas redes sociais.

Bach foi o segundo vocalista do Skid Row, sucedendo Matt Fallon na formação original, e contribuiu nos três primeiros álbuns: Skid Row (1989), Slave To The Grind (1991) e Subhuman Race (1995). Ele foi demitido da banda em 1996, e desde então, o grupo passou por outras quatro trocas de vocalistas.

No início deste mês, Sebastian Bach lançou um novo single intitulado "What Do I Got To Lose", que provavelmente fará parte de seu primeiro álbum solo em uma década, ainda sem detalhes revelados. 

Sebastian Bach também é uma das atrações do festival Summer Breeze, com sua performance marcada para o dia 26 de abril, no Memorial da América Latina, em São Paulo. Em 29 de abril, ele participará do Summer Tours ao lado dos integrantes do Mr. Big no Vivo Rio, no Rio de Janeiro.



KILLSWITCH ENGAGE comemora 20 anos do lançamento do álbum 'The End of Heartache'

Uma das atrações do Summer Breeze Brasil, banda americana de metalcore comemora o 20º aniversário do seu terceiro álbum de estúdio

Duas décadas se passaram desde que os acordes iniciais de "A Bid Farewell" ecoaram através dos alto-falantes dos fãs de metal de todo o mundo, anunciando a chegada de um novo marco no metalcore. "The End of Heartache", lançado em 2004, não foi apenas um álbum – foi uma declaração poderosa de uma banda que estava pronta para deixar sua marca indelével na cena musical.

Quando o Killswitch Engage revelou este seu terceiro álbum de estúdio, já estava bem estabelecido como força motriz de um dos gêneros hoje mais estabelecido no mercado americano da música pesada: o metalcore. Com "The End of Heartache", transcendeu as expectativas e ajudou a definir um som que se tornaria sinônimo de uma Era.


No contexto da indústria da música, "The End of Heartache" chegou em um momento em que o metalcore estava começando a ganhar um espaço significativo. Killswitch Engage estava entre as bandas que lideravam essa onda, abrindo caminho para que o gênero se infiltrasse nas paradas de sucesso e alcançasse um público mainstream. O álbum não apenas alcançou o ouro nos Estados Unidos, mas também foi nomeado para um Grammy na categoria de Melhor Performance de Metal, consolidando o impacto da banda na música pesada.

A estreia do então vocalista Howard Jones trouxe uma nova dimensão à banda. Sua habilidade de alternar entre guturais poderosos e um melódico limpo ampliou o alcance emocional das músicas, permitindo que trabalho falasse a um público mais amplo. "The End of Heartache" destacou a faixa-título, indicada ao Grammy, além do primeiro single e videoclipe, "Rose of Sharyn" e "When Darkness Falls", que entrou na trilha do filme "Freddy Vs Jason"

Comemorar os 20 anos de "The End of Heartache" é reconhecer um período em que o Killswitch Engage não apenas definiu um gênero, mas também criou um legado que inspirou incontáveis bandas. Interpretadas hoje pelo vocalista Jesse Leach, as faixas do álbum continuam a ser um ponto alto nos shows.

O mais recente álbum de estúdio da banda foi "Atonement", lançado em 2019. Atualmente, o Killswitch Engage divulga o ao vivo "Live at the Palladium" e se apresentará na segunda edição do festival Summer Breeze Brasil, no domingo, 28 de abril, junto com bandas como ANTHRAX, CARCASS, AVATAR, OVERKILL e AMORPHIS.

Os ingressos estão disponíveis de forma online, através do Clube do Ingresso. Confira os valores:
Summer Card Social: por dia (mediante doação de 1kg de alimento não perecível): R$650,00 
Ingresso para todos os dias (Pass): R$1.650 / R$3.300 (inteira)
Summer Lounge Pass (todos os dias necessário ingresso de acesso ao evento): R$2.100

Opções individuais por dia consultar no site do Clube do Ingresso.

Outras informações em: www.summerbreezebrasil.com
Siga @summerbreeze.brasil

Contato para parcerias e ações publicitárias:
Hoffman & O'Brian Marketing - info@hoffmanobrian.com.br 
Assessoria de Imprensa - Agência Taga
Guilherme Oliveira – guilherme@agenciataga.com.br

10 janeiro 2024

7 bandas de black metal cristão que você deveria ouvir

Por Sol (Metal Injection)
Tradução: Julio Feriato



No mundo do metal, nada parece mais contraditório do que ter religião, mais especificamente o cristianismo. E, analisando ainda mais a fundo, nada poderia ser mais contraditório do que Black Metal com mensagens cristãs explicitamente declaradas. Se você compartilha o critério do Black Metal de Euronymous (isto é, apenas música pesada e satânica), então, o Black Metal cristão não pode existir. Muitas bandas realmente se sentem do mesmo jeito, e é por isso que optam por ser definidas como "unblack metal"; embora sejamos completamente honestos com nós mesmos, Christian Black Metal ainda é uma resposta correta.

Podem me acusar de não ser troot o suficiente, mas eu sempre senti que o black metal é definido pelo som e não tanto pela mensagem. Todos sabemos que este gênero tem características próprias, e que a música pesada e satânica existe sem necessariamente estar sob o rótulo de black metal. Pensar desta maneira me levou ao mundo do unblack metal e me permitiu entender e apreciar os objetivos dessas bandas. É algo intrigante um grupo de cristãos entrar numa cena musical criada com objetivos que especificamente incluem sua perseguição.

Então, para aqueles de vocês que não estão familiarizados com a cena do unblack e são um pouco curiosos, compilei uma lista de 7 bandas de Christian Black Metal que você deveria conhecer. A cena de unblack metal é relativamente pequena, e se você deseja explorá-la ainda mais, provavelmente irá encontrar as mesmas bandas repetidas vezes. Dito isto, esta lista que eu compilei é apenas algumas das bandas mais notáveis que surgiram ao longo dos anos. Além disso, com a exceção da primeira banda, tenha em mente que esta não é uma lista classificada.

HORDE


Quando você fala de unblack metal, é impossívem não mencionar a Horde de alguma maneira, pois trata-se do projeto solo de Jayson Sherlock, ex-baterista da banda australiana Mortification. Sherlock, que gostava de black metal, mas não gostava das mensagens, decidiu criar uma alternativa para pessoas que pensavam como ele. O resultado disso foi "Hellig Usvart" (tradução: algo próximo à 'holy unblack'/santo não obscuro).

Segundo o próprio Sherlock, ele não foi o primeiro músico a encabeçar um projeto de black metal cristão, mas certamente foi o primeiro a ficar conhecido. Tanto que, o projeto irritou muitos fãs de black metal ao ponto de Sherlock ser ameaçado de morte várias vezes.

Horde é, sem dúvida, o ponto de partida para um subgênero controverso dentro de um subgênero controverso.

Ouça “Release and Clothe The Virgin Sacrifice”


ANTESTOR


Enquanto Horde mostrou ao mundo que fazer unblack metal era possível, Antestor aperfeiçoou a arte. Eles são provavelmente a banda unblack mais notável, e provavelmente influenciaram todas as bandas unblack que vieram depois.

No início dos anos 90, Antestor começou como uma banda cristã de doom/thrash sob o nome de Crush Evil. O seu cristianismo era bem conhecido, e chamou atenção Papa Euronymous (Mayhem), que chegou a fazer algumas vagas ameaças ao grupo. No entanto, Crush Evil perseverou, mudou seu nome para Antestor, e também começou a escrever músicas diretamente ligadas á estrutura do black meta norueguês. Quando perguntado sobre sua fé enquanto tocava black metal, o vocalista Kjetil Molnes explicou que “Nós nos identificamos como black metal como um estilo de música, não black metal como uma ideologia ou crença.”

Antestor, sendo norueguês, aparentemente ainda tentam contornar os problemas com bandas e fãs de black metal. Eles até conseguiram que Jan Axel "Hellhammer" Blomberg tocasse bateria em dois de seus álbuns. Se isso não lhes der um pouco de credibilidade, então não tenho certeza do que poderia.

Assista ao videoclipe da música "Unchained"


CRIMSON MOONLIGHT


Crimson Moonlight tornou-se conhecido na cena unblack no início de 2000, na Suécia. Embora começando com um estilo mais sinfônico e ambiental, álbuns como "Veil of Remembrance" apresentaram uma mudança para influências mais death metal. Eles são definitivamente uma das mais pesadas bandas Unblack que eu já ouvi, e eles são uma grande banda de pop quando você está apenas à procura de algo um pouco brutal e um pouco dark, ao mesmo tempo.

Ouça "The Advent Of The Grim Hour"


FROSTHARDR


Frosthardr foi formado em 1997 na Noruega e entraram na cena apadrinhados pelo Antestor, pois o vocalista Jokull costumava trabalhar com a banda, e o baterista Savn na banda banda Vaakevandring. A marca Unblack de Frosthardr se baseia mais nas tendências cruas do punk e hardcore do black metal, embora álbuns como "Maktesløs" também exibam uma proeza para cordas orquestrais e outros efeitos atmosféricos.

Eles são uma das bandas mais populares do gênero e aparecem em vários documentários, especificamente para destacar o seu envolvimento, como cristãos, em um ambiente muito anticristão.

Ouça "Koma"


SLECHTVALK


Slechtvalk, além de unblack metal, possui também muitas influências folk metal. De um modo geral, eles são comumente identificados como uma banda de unblack e folk metal. Suas raízes estão mais atadas ao folk, além de incorporar nos shows ao vivo fantasias medievais e escrever músicas em torno de temas de guerra.

Atualmente sua música é menos sinfônica, mais rápida e brutal, o que faz com que a banda pareça um pouco mais predominantemente unblack. Muito parecido com outras bandas nesta lista, eles são muito proeminentes na cena unblack, assim como na de metal cristão em geral.

Ouça "Towards the Dawn"


SANCTIFICA


Sanctifica foi uma banda unblack com carreira curta, mas ainda muito memorável da Suécia. Seu primeiro grande lançamento, "Spirit of Purity", era um black metal com muitas influências thrash, mas o próximo e último lançamento, "Negativo B" apresentou um som mais experimental e progressivo.

Na verdade, é uma pena que a banda tenha acabado, pois eles tinham potencial para ser uma das melhores bandas de de metal cristão.

Ouça “Riket (The Empire)”


FROST LIKE ASHES


Frost Like Ashes será a única banda nesta lista a vir dos EUA. Eles incorporam muita teatralidade em seus shows, assim como as outras bandas nesta lista. Eles usam o corpse paint, roupas de couro cravado e rasgam no palco a bíblia satânica.

Ouça "Pale Shadows"



13 dezembro 2023

Há 6 anos, perdíamos o cantor WARREL DANE. Relembre "Shadow Work", sua obra póstuma.

O falecimento do cantor Warrel Dane em dezembro de 2017 pegou muita gente de surpresa, mas não tanto aos conhecidos que acompanharam de perto toda a sua saga pelo Brasil desde que ele veio fazer uma turnê solo com músicos brasileiros, em 2014. Para quem não sabe, este extraordinário artista não estava muito bem de saúde há alguns anos e não tinha disciplina alguma em relação a isso; tanto que os músicos que gravaram este disco já temiam que o pior pudesse acontecer em algum momento. No entanto, ninguém poderia prever que a tragédia fosse rolar justamente em meio às gravações de "Shadow Work"!

As expectativas em torno deste trabalho eram muitas: primeiramente, pela banda contar com músicos brasileiros e por ter sido inteiramente produzido e gravado em São Paulo-SP, com pré-produção a cargo de Roy Z. Por mais triste que seja, felizmente, pelo menos metade do disco foi gravado e o resultado é uma verdadeira obra-prima da música pesada, com oito belas composições e também com uma das melhores performances já realizadas por Warrel Dane.

O álbum abre com um belo clima oriental na introdução intitulada "Ethereal Blessing", seguida da portentosa "Madame Satan" (título inspirado numa tradicional casa noturna de São Paulo que possui o mesmo nome), cheia de riffs quebrados e pesadíssimos, com direito a vocal gutural em alguns momentos. De cara, não há como não lembrar do Nevermore da fase "This Godless Endeavor", um fato talvez proposital, visto que em algumas entrevistas o cantor deu a entender que "Shadow Work" seria uma tentativa de reconectar os antigos fãs à sua carreira solo. Se um dos objetivos era esse, posso afirmar que deu certo, pois a estrutura das músicas é bem parecida, inclusive o timbre das guitarras remete bastante ao Nevermore.

Mas calma, não pensem que "Shadow Work" soa como uma pálida cópia das bandas anteriores de Dane, pois não é! A 'brasilidade' dos músicos é bem marcante devido à rifferama quebrada das músicas, característica que a dupla de guitarristas Thiago Oliveira e Johnny Moraes conseguiram explorar com maestria e afirmo que foram até além disso - um belo exemplo é a melodia final da música título, algo que grudou por dias na minha cabeça.

"Disconnection System" foi o primeiro single divulgado pela gravadora, e confesso ter demorado para digeri-la por completo devido à sua rifferama quebrada e 'torta'. Diferente, por exemplo, de "As Fast as the Others", que mantém o clima sombrio, mas com muito peso e sentimento. Segundo o guitarrista Thiago Oliveira, esta foi a música mais difícil de compor justamente por ela ter essa proposta mais comercial e melódica.

Mantendo sua tradição em realizar versões inusitadas de velhos clássicos, Dane desta vez escolheu o The Cure para homenagear ao regravar uma surpreendente versão para "The Hanging Garden"; e o resultado final é magnífico. A faixa seguinte, a balada "Rain", é talvez a música mais 'chiclete' de todas e afirmo isso no bom sentido. Ela conseguiu resgatar as raízes mais doom metal que o cantor nunca negou ter, e na minha opinião, é o grande destaque deste disco.

Para fechar com chave de ouro, temos a longa "Mother Is the Word for God", que começa com corais e uma bela melodia sinfônica, seguida de um violão acústico como apoio, para depois descambar em um trabalho nervosíssimo de guitarras que perpetua até o fim.

O veredicto é que dá muito orgulho saber que "Shadow Work" foi um trabalho concebido em nosso país, com a ajuda de músicos brasileiros. O único "senão" fica por conta da sensação de "quero mais", pois sabe-se que o disco seria mais longo e que muitas músicas ficaram de fora devido ao falecimento do cantor. E, segundo me confidenciou um dos músicos, essas músicas eram justamente as mais legais. Por causa disso, dá até uma certa revolta contra o universo por ter levado embora um artista tão talentoso e característico como Warrel Dane antes dele ao menos terminar sua obra! Caramba universo, não dava para ter esperado só um pouquinho mais?!

Ouça o disco:

 

08 dezembro 2023

Novo single do SKELETAL REMAINS, “Relentless Appetite”, é uma sapatada na orelha!


Os americanos do SKELETAL REMAINS têm um novo álbum que será lançado em março próximo, intitulado Fragments of the Ageless , e eles acabaram de lançar seu segundo single “Relentless Appetite”. Se você é fã de death metal, este é absolutamente para você.

Falando sobre a faixa, o vocalista Chris Monroy disse que ela está definitivamente em outro nível em comparação com o single anterior, “Void of Despair”.

“Sentimos que é mais brutal que o anterior. Estávamos nos esforçando para ser mais extremos – vibrando com isso tanto quanto possível.”


Dirigido por Steven Grise da 197 Media, o videoclipe que acompanha é um caso brutal e violento que provavelmente seria melhor manter longe da boa e normal companhia. Ou não, foda-se. Basta jogar essa merda e improvisar.


Junto com o lançamento deste novo single, a banda anunciou que o próximo álbum já está disponível para encomenda. Segundo a banda, o novo álbum estará disponível nos seguintes formatos:

* CD Digipak
* Ltd. Gatefold transp. magenta LP
* LP Gatefold cor limão (300x) disponível em cmdistro.de e Evil Greed
* Ltd. Gatefold transp. LP azul claro (300x) disponível em cmdistro.de e vários outros varejistas
* Gatefold Opaqe Spring Green LP (versão dos EUA)
* Ltd. Gatefold Sunspot LP (500x) disponível nas lojas independentes dos EUA e SKELETAL REMAINS
* Álbum digital

"Fragments of the Ageless" será lançado em 8 de março pela Century Media Records, mas você pode encomendar o álbum agora . Além disso, a banda faz dois shows ao vivo, que você confere abaixo do vídeo.

05 dezembro 2023

Summer Breeze Brasil 2024 anuncia line-up completo com Epica, Mercyful Fate, Killswitch Engage e mais

Festival em São Paulo também receberá Within Temptation, Hammerfall, Anthrax, Sebastian Bach e Mr. Big

Foto: Divulgação/Wellington Penilha

A organização do Summer Breeze Brasil, que será realizado em 2024 nos dias 26, 27 e 28 de Abril no Memorial da América Latina, em São Paulo, anunciou nesta terça-feira (5) o line-up completo do evento.

O festival trará como headliners, além dos já anunciados Within Temptation, Hammerfall, Anthrax, Killswitch Engage, Sebastian Bach e Mr. Big, as bandas Epica e Mercyful Fate.

Ainda passarão pela programação do evento os grupos Amorphis, Angra, About2Crash, Avatar, AXTY, Alchemia, Biohazard, Black Stone Cherry, Battle Beast, Carcass, Cultura Tres, Clash Bulldog’s, Death Angel, Dr. Sin, Eclipse, Exodus, Edu Falaschi, Eminence, Electric Mob, Forbidden, Gamma Ray, Hammerfall, Hellish War, In Extremo, Jeff Scott Soto, Jelusick, John Wayne, Korzus, Kryour, Lacuna Coil, Massacration, Minipony, Nestor, Nervosa, Nite Stinger, Overkill, Rage In My Eyes, Ratos de Porão, Spektra, Sinistra, Sioux 66, The 69 Eyes, The Night Flight Orchestra, The Troops of Doom, Torture Squad, Tygers of Pan Tang e Zumbis do Espaço.

Os ingressos para o festival custam a partir de R$575 e podem ser encontrados aqui

Summer Breeze Brasil

Um dos maiores festivais de Metal do mundo, o Summer Breeze nasceu na Alemanha há 25 anos e chegou por aqui neste ano, quando ocupou os dois lados do Memorial da América Latina nos dias 29 e 30 de Abril.

SERVIÇO – Summer Breeze Brasil 2024 

Ingresso por dia (Summer Card): R$575,00 / R$1.150,00 (inteira) 
Summer Card Social: por dia (mediante doação de 1kg de alimento não perecível): R$650,00 
Ingresso para todos os dias (Pass): R$1.650 / R$3.300 (inteira) 

Mais sobre o festival: https://linktr.ee/summerbreezebrasil 
Outras informações em: www.summerbreezebrasil.com 
Siga @summerbreeze.brasil