25 dezembro 2017

7 bandas de black metal cristão que você deveria ouvir

Por Sol (Metal Injection)
Tradução: Julio Feriato


No mundo do metal, nada parece mais contraditório do que ter religião, mais especificamente o cristianismo. E, analisando ainda mais a fundo, nada poderia ser mais contraditório do que Black Metal com mensagens cristãs explicitamente declaradas. Se você compartilha o critério do Black Metal de Euronymous (isto é, apenas música pesada e satânica), então, o Black Metal cristão não pode existir. Muitas bandas realmente se sentem do mesmo jeito, e é por isso que optam por ser definidas como "unblack metal"; embora sejamos completamente honestos com nós mesmos, Christian Black Metal ainda é uma resposta correta.

Podem me acusar de não ser troot o suficiente, mas eu sempre senti que o black metal é definido pelo som e não tanto pela mensagem. Todos sabemos que este gênero tem características próprias, e que a música pesada e satânica existe sem necessariamente estar sob o rótulo de black metal. Pensar desta maneira me levou ao mundo do unblack metal e me permitiu entender e apreciar os objetivos dessas bandas. É algo intrigante um grupo de cristãos entrar numa cena musical criada com objetivos que especificamente incluem sua perseguição.

Então, para aqueles de vocês que não estão familiarizados com a cena do unblack e são um pouco curiosos, compilei uma lista de 7 bandas de Christian Black Metal que você deveria conhecer. A cena de unblack metal é relativamente pequena, e se você deseja explorá-la ainda mais, provavelmente irá encontrar as mesmas bandas repetidas vezes. Dito isto, esta lista que eu compilei é apenas algumas das bandas mais notáveis que surgiram ao longo dos anos. Além disso, com a exceção da primeira banda, tenha em mente que esta não é uma lista classificada.

HORDE


Quando você fala de unblack metal, é impossívem não mencionar a Horde de alguma maneira, pois trata-se do projeto solo de Jayson Sherlock, ex-baterista da banda australiana Mortification. Sherlock, que gostava de black metal, mas não gostava das mensagens, decidiu criar uma alternativa para pessoas que pensavam como ele. O resultado disso foi "Hellig Usvart" (tradução: algo próximo à 'holy unblack'/santo não obscuro).

Segundo o próprio Sherlock, ele não foi o primeiro músico a encabeçar um projeto de black metal cristão, mas certamente foi o primeiro a ficar conhecido. Tanto que, o projeto irritou muitos fãs de black metal ao ponto de Sherlock ser ameaçado de morte várias vezes.

Horde é, sem dúvida, o ponto de partida para um subgênero controverso dentro de um subgênero controverso.

Ouça “Release and Clothe The Virgin Sacrifice”



ANTESTOR


Enquanto Horde mostrou ao mundo que fazer unblack metal era possível, Antestor aperfeiçoou a arte. Eles são provavelmente a banda unblack mais notável, e provavelmente influenciaram todas as bandas unblack que vieram depois.

No início dos anos 90, Antestor começou como uma banda cristã de doom/thrash sob o nome de Crush Evil. O seu cristianismo era bem conhecido, e chamou atenção Papa Euronymous (Mayhem), que chegou a fazer algumas vagas ameaças ao grupo. No entanto, Crush Evil perseverou, mudou seu nome para Antestor, e também começou a escrever músicas diretamente ligadas á estrutura do black meta norueguês. Quando perguntado sobre sua fé enquanto tocava black metal, o vocalista Kjetil Molnes explicou que “Nós nos identificamos como black metal como um estilo de música, não black metal como uma ideologia ou crença.”

Antestor, sendo norueguês, aparentemente ainda tentam contornar os problemas com bandas e fãs de black metal. Eles até conseguiram que Jan Axel "Hellhammer" Blomberg tocasse bateria em dois de seus álbuns. Se isso não lhes der um pouco de credibilidade, então não tenho certeza do que poderia.

Assista ao videoclipe da música "Unchained"



CRIMSON MOONLIGHT


Crimson Moonlight tornou-se conhecido na cena unblack no início de 2000, na Suécia. Embora começando com um estilo mais sinfônico e ambiental, álbuns como "Veil of Remembrance" apresentaram uma mudança para influências mais death metal. Eles são definitivamente uma das mais pesadas bandas Unblack que eu já ouvi, e eles são uma grande banda de pop quando você está apenas à procura de algo um pouco brutal e um pouco dark, ao mesmo tempo.

Ouça "The Advent Of The Grim Hour"



FROSTHARDR


Frosthardr foi formado em 1997 na Noruega e entraram na cena apadrinhados pelo Antestor, pois o vocalista Jokull costumava trabalhar com a banda, e o baterista Savn na banda banda Vaakevandring. A marca Unblack de Frosthardr se baseia mais nas tendências cruas do punk e hardcore do black metal, embora álbuns como "Maktesløs" também exibam uma proeza para cordas orquestrais e outros efeitos atmosféricos.

Eles são uma das bandas mais populares do gênero e aparecem em vários documentários, especificamente para destacar o seu envolvimento, como cristãos, em um ambiente muito anticristão.

Ouça "Koma"



SLECHTVALK


Slechtvalk, além de unblack metal, possui também muitas influências folk metal. De um modo geral, eles são comumente identificados como uma banda de unblack e folk metal. Suas raízes estão mais atadas ao folk, além de incorporar nos shows ao vivo fantasias medievais e escrever músicas em torno de temas de guerra.

Atualmente sua música é menos sinfônica, mais rápida e brutal, o que faz com que a banda pareça um pouco mais predominantemente unblack. Muito parecido com outras bandas nesta lista, eles são muito proeminentes na cena unblack, assim como na de metal cristão em geral.

Ouça "Towards the Dawn"



SANCTIFICA


Sanctifica foi uma banda unblack com carreira curta, mas ainda muito memorável da Suécia. Seu primeiro grande lançamento, "Spirit of Purity", era um black metal com muitas influências thrash, mas o próximo e último lançamento, "Negativo B" apresentou um som mais experimental e progressivo.

Na verdade, é uma pena que a banda tenha acabado, pois eles tinham potencial para ser uma das melhores bandas de de metal cristão.

Ouça “Riket (The Empire)”



FROST LIKE ASHES


Frost Like Ashes será a única banda nesta lista a vir dos EUA. Eles incorporam muita teatralidade em seus shows, assim como as outras bandas nesta lista. Eles usam o corpse paint, roupas de couro cravado e rasgam no palco a bíblia satânica.

Ouça "Pale Shadows"




24 dezembro 2017

Vocalista do NERVOSA desabafa: "música não é apenas sobre técnica e qualidade!"

Fernanda Lira: "Música também é representatividade", desabafa a musicista
Fernanda Lira, além de ser conhecida como vocalista da banda NERVOSA, também é popular nas redes sociais por causa de suas postagens debochadas e às vezes bastante politizadas.

Nesta última semana a musicista fez um desabafo em seu perfil do Facebook direcionado aos que ela ironicamente apelidou de "supremacistas do bom gosto musical". Leia o post na íntegra:
UM RECADINHO, RAPIDÃO!
Galerys, eu sinto em informar, mas música não é, nunca foi e nem nunca será apenas sobre técnica e qualidade. Música é muito mais que isso. Música também é representatividade, música é identificação, música é diversão, música é sentimento, música é cura, música é protesto, empoderamento, música é ensinamento, e, acima de tudo, é uma questão de gosto, e GOSTO É QUE NEM CÚ, NÃO É MESMO?
Então pare de achar que você representa a supremacia do bom gosto musical e use um pouco de empatia antes de julgar as coisas.
Como eu disse, música pode significar muitas coisas diferentes. E quando você julga o gosto de alguém ou um cantor x que faz sucesso, vc não sabe o que aquela música representa pra pessoa que a ouve. Fazendo isso você não será automaticamente obrigado a gostar daquilo, só vai estar praticando o respeito, que é uma delícia e todo mundo gosta!

Antes de ficar praguejando pessoas que ouvem algo 'ruim', pensa que nem sempre o que representa algo pra alguém, representa o mesmo pra vc e vice e versa. Pensa que a música nova da Anitta pode não significar nada pra vc, mas pode significar muito pra outra pessoa que tem una realidade diferente da sua, assim como a Beyond the Realms of Death do Judas pode significar tudo pra vc e nada pra outra pessoa, por varias questoes.

Eu ouço Amy Winehouse porque ela me ensinou a tirar algo bom de algo ruim. Ouço a Beyonce pq nunca um disco me ajudou a curar minha pior fase como o Lemonade dela (junto com o Back to Black da Amy), pq nunca nenhum outro vocalista me ensinou a cantar com vibratto em cada palavra de uma música como ela, pq ela empodera mais mulheres e negros em um show do que nós juntos faremos na nossa vida toda. Eu ouço Racionais pq eu moro na periferia e me identifico com a descrição deles da vida na periferia. Eu ouço alguma coisa de Nicki Minaj pq assim como ela eu acredito que sexo não deveria ser um tabu para as mulheres já que não é para os homens. Eu ouço Sepultura porque eles me ensinaram que o sonho é possível. Eu não gosto nem ouço Pabllo e Anitta, mas respeito o que elas representam pra um monte de comunidades e grupos.
E claro ouço metal pq eu GOSTO e pq tudo que eu tenho na minha vida é por causa do estilo, pq me fez sentir parte de um grupo, pq me ensinou muita coisa, pq me proporcionou diversão, por tudo.
Se vc se sente satisfeito com apenas un estilo, ok. Se vc ouve de tudo, ok tb. Se vc ouve coisa que todo mundo acha ruim, ta super ok tb. Pq música é o que ela significa PRA VOCÊ.

A matemática da empatia é simples, a gente que complica tudo: é só se colocar no lugar das pessoas e entender que vc é uma realidade diferente delas, e gosto, qualidade e técnica, tudo se torna relativo quando a gente pensa por esse lado!

Bom dia e boa missão a todo mundo, bora parar de ser chato e deixar todo mundo viver em paz, que já tá enchendo o saco essa cuidação de vida dos outros, pqp mano!!!! ❤
Meu Deus Do Ceu Que Galera Chata Do Caralho!!!!!!

Beijos de Queen B pra vcs 😘
Publicado por Fernanda Lira em Sexta, 22 de dezembro de 2017